Gazette

Sua referência em notícias culturais

São José Liberto comemora o Dia Mundial das Danças Circulares São José Liberto comemora o Dia Mundial das Danças Circulares
Uma grande roda marca as comemorações pelo Dia Mundial das Danças Circulares no próximo domingo (17), às 10h, no anfiteatro do Coliseu das Artes... São José Liberto comemora o Dia Mundial das Danças Circulares

Uma grande roda marca as comemorações pelo Dia Mundial das Danças Circulares no próximo domingo (17), às 10h, no anfiteatro do Coliseu das Artes do Espaço São José Liberto/ Polo Joalheiro do Pará (Praça Amazonas, s/n, Jurunas). A entrada é franca.

No mesmo dia, outras rodas ocorrem em diversos países e em diferentes horários – o horário oficial do evento é 4PM, hora de Findhorn (Reino Unido). A iniciativa marca o início de uma nova tradição, que será comemorada, anualmente, no terceiro domingo de julho. A ação integra o movimento das Danças Circulares, criado na década de 70, na Escócia, que ganharam repercussão no mundo revelando a variedade das danças étnicas de vários povos, além de ajudar no bem estar físico, mental, emocional e energético dos participantes e promover a paz e a união entre os povos.

As rodas no Espaço São José Liberto são coordenadas pela médica Ana Lúcia Rubim e resultam do trabalho coletivo de três grupos que praticam Dança Circular em Belém – Espaço Ananda, Ocara e Roda de Hera –, que integram o Coletivo Ubuntu. O evento tem a parceria do Instituto de Gemas e Joias da Amazônia (Igama), que gerencia o Polo Joalheiro.

Entre os benefícios de participar das rodas, segundo Ana Rubim, estão melhorias na interatividade, musicalidade e ampliação da consciência dos participantes. Todos podem entrar na roda, independente de idade, gênero ou crenças religiosas. Basta estar disposto a seguir o ritmo e compartilhar sentimentos de união e fraternidade, especialmente, nesta roda, que será comemorada em diversos países criando uma grande energia coletiva em prol da paz e harmonia do planeta.

O Coletivo Ubuntu é formado por voluntários. Todas as rodas são abertas para a comunidade, assim como os demais eventos públicos e de capacitação. As iniciativas buscam o envolvimento das pessoas em uma prática libertadora. As ações ajudam a divulgar o movimento das Danças Circulares no Pará. O trabalho cooperativo conta com parcerias firmadas com a iniciativa pública e instituições particulares, imprescindíveis para a continuidade dos trabalhos.

Integração – O São José Liberto é um destes parceiros. O espaço recebe as rodas de dança sempre nos primeiros e penúltimos domingos de cada mês. “Naquelas grandes rodas dançam de mãos dadas pessoas das mais diversas camadas sociais, gerações, credos religiosos e ideologias. As diferenças ali se integram em emoções das mais edificantes”, comenta Ana Rubim.

O espaço físico, segundo a coordenadora, é outro fator que contribui com a atividade, registrada pelo olhar da fotógrafa e jornalista paraense Amanda Mello, responsável pela coordenação da Comunicação do Ocara, juntamente com a psicóloga Lena Mouzinho. “As imagens veiculadas pelas mídias sociais para o mundo inteiro são repletas de comentários se referindo à beleza do lugar. Em função do movimento viajamos muito, e é comum escutarmos em muitas línguas frases como ‘um dia quero dançar naquele lugar!’”, destaca Ana Rubim.

Amanda Mello foi escolhida para fazer a edição do vídeo desta ação global que reunirá imagens de todas as rodas que serão feitas no próximo dia 17. O vídeo mostrará pessoas de diversos lugares do mundo dançando em círculo a música “Winds on the Tor”. “Receber esse convite representa uma grande honra para o movimento das Danças Circulares de Belém e do Brasil”, comenta a jornalista e fotógrafa.

Para a diretora executiva do Igama, Rosa Helena Neves, a parceria valoriza a cultura da paz e da vida em rede. As Danças Circulares no São José Liberto têm gestão, articulação, coordenação e focalização do Espaço Ananda, representado por Ana Rubim, com assessoramento da secretária Augusta Von Paungarten. A focalização diz respeito à ação de repassar as coreografias para os participantes. As rodas contam com o apoio do educador físico Eurico Alves, que faz alongamento orientado junto ao público.

O Ocara atua, especialmente, na comunicação e promove a divulgação das ações do coletivo, principalmente através das redes sociais. O grupo também atua na logística do evento, com o trabalho do administrador Mauro de Oliveira e com a focalização de Lena Mouzinho e Ana Cláudia Costa, além do apoio de Madalena Mendonça e de Liani Mouzinho. A Roda de Hera, que também forma o Coletivo Ubuntu, é responsável por selecionar os focalizadores das Danças Circulares, bem como por dar apoio logístico: HarpreetKaur, Magno Lins, Jerônimo Iless, Ataíde Jr, Bruno Antunes, Sheime Denadai , Rômulo Gemaque e Henrique Lobato.

Serviço: Dia Mundial da Dança Circular. Domingo (17), às 10h, no Coliseu das Artes do Espaço São José Liberto (Praça Amazonas, s/n, Jurunas). Entrada franca. Mais informações pelo telefone (91) 98883-7970 (Ana Rubim) ou pelo e-mail lenacristinam@gmail.com. Programação completa: globalcircle.dance/circledanceday.html.

Por Luciane Fiuza

Fonte: Agência Pará

admin

No comments so far.

Be first to leave comment below.

Your email address will not be published. Required fields are marked *